Aqui começa o menu de navegação

Ir para o conteúdo Ir para o mapa do site
Aqui começa o conteúdo

Ensino superior, produtividade e competitividade nos países Ibero-Americanos

Ensino superior, produtividade e competitividade nos países Ibero-Americanos

Ensino superior, produtividade e competitividade nos países Ibero-Americanos

Este documento tem como principal objetivo analisar a educação universitária ibero-americana e sua capacidade de formar pessoas produtivas e inovadoras, promovendo habilidades que permitam aos trabalhadores inovar no campo empresarial.

Uma alta proporção de empresas ibero-americanas que operam no setor formal da economia enfrentam  sérias  dificuldades  para  contratar mão de obra qualificada e alinhada às suas necessidades produtivas  Ao mesmo tempo, os graduados no ensino  superior  têm  dificuldade  na  hora de encontrar trabalhos estáveis e compatíveis com seu nível educativo e área de formação. Essas brechas impedem que o capital humano qualificado seja utilizado de forma eficiente e são umas das causas da limitada e estancada produtividade e competitividade da região.

Isso deixa em evidência a importância de dotar os trabalhadores não apenas de  habilidades  específicas  e  técnicas próprias do seu campo de trabalho, mas também de habilidades transversais que permitam uma melhor adaptação a um mercado de trabalho dinâmico, mutante e com uma presença cada vez maior de novas tecnologias. Nesse contexto, as universidades têm um papel-chave, pois  sua oferta de formação deve se adequar às necessidades do mercado de trabalho e às da sociedade para agregar valor aos alunos, às empresas e à sociedade como um todo.

Quanto às políticas públicas, a coordenação entre governos, instituições acadêmicas e setor privado é crucial para o alinhamento dos objetivos e para a criação, implementação e avaliação das políticas de educação superior, capital humano, pesquisa, inovação e desenvolvimento nos países ibero-americanos. No entanto, hoje temos sérios problemas de coordenação entre esses atores e são necessários mais esforços para fortalecer os atuais vínculos.

Além disso, exploramos a interação entre universidades-empresas-Estado e seu potencial para a formação do capital humano e para levar a cabo uma pesquisa e desenvolvimento que agregue valor às empresas ibero-americanas.

Rodapé