Menu de navegação

Ir para o conteúdo Ir para o mapa do site
Conteúdo da página

Institucional/OEI

20 milhões de ibero-americanos foram beneficiados pelos projetos OEI nos últimos 4 anos

20 milhões de ibero-americanos foram beneficiados pelos projetos OEI nos últimos 4 anos

25 de novembro de 2022

Secretaria-Geral | República Dominicana

A OEI apresentou hoje seu relatório institucional 2019-2022, que responde pela atividade cooperativa da organização, cujo volume aumentou em 50%.

A Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI) apresentou esta manhã sua Memória Institucional 2019-2022 às delegações dos 23 países ibero-americanos presentes em sua XIV Assembléia Geral, que se realiza hoje em Santo Domingo (República Dominicana).

Acompanhada por um vídeo mostrando os principais marcos do relatório, a organização fez um balanço dos últimos quatro anos de gestão, inevitavelmente marcado pelos desafios trazidos pela pandemia COVID-19, na qual a OEI aumentou seu volume de gestão de projetos de cooperação em 50%, atingindo 20 milhões de beneficiários diretos nos últimos quatro anos.

Também destaca que a organização de cooperação mais antiga da Ibero-América fechou o ano com um saldo financeiro positivo e a maior expansão territorial de sua história, com a abertura de seu 19º escritório nacional em Havana, Cuba, em março passado.

O relatório também assinala que a OEI publicou mais de 900 estudos e artigos de pesquisa sobre educação, ciência e cultura ibero-americana e compilou mais de 600 recursos educacionais gratuitos em seu novo website, lançado juntamente com uma imagem corporativa renovada no final de 2020. Durante este período de quatro anos, a organização tornou-se líder em redes sociais e ganhou espaço na mídia ibero-americana graças à assinatura de acordos com agências de notícias e grupos de mídia.

No campo da educação, a OEI lançou seu ambicioso Programa Regional para a Transformação Digital na Educação que, com a colaboração de parceiros como o BID, a CAF e a AECID, já foi implementado em 9 países da região desde 2021. A organização também assumiu o firme compromisso de promover a educação em direitos humanos, como demonstrado pelas quatro edições do prêmio Oscar Arnulfo Romero, no qual mais de 1.500 projetos concorreram, e que se tornou um dos prêmios mais prestigiados da região.

No campo do ensino superior e da ciência, a OEI concentrou seu trabalho na consolidação de um espaço compartilhado de pesquisa e mobilidade que apóia a formação dos mais de 33 milhões de estudantes universitários na Ibero-América. Isto é demonstrado pela implementação de sua estratégia da Universidade Ibero-Americana para 2030, lançada em 2020. Além disso, vale destacar a criação do selo Kalos Virtual Iberoamerica, juntamente com a Rede Ibero-Americana de Acreditação em Educação Superior (Riaces), que é o primeiro selo unicamemte ibero-americano que certifica a qualidade dos programas virtuais, que são atualmente de grande demanda.

Segundo o relatório, durante este período, a OEI entregou quase 1.700 bolsas de estudo a estudantes de toda a Ibero-América para estudos superiores, ao mesmo tempo em que acrescentou cerca de 400 universidades parceiras. Também destaca a implementação do Programa FORCYT para fortalecer os sistemas científicos e tecnológicos da região, com apoio financeiro da União Européia, assim como a consolidação do Observatório Ibero-Americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade, com sede em Buenos Aires, como um dos principais geradores de indicadores científicos confiáveis e atualizados na região.

A cultura também desempenhou um papel importante na gestão da OEI durante os últimos quatro anos. Programas que abordam os desafios atuais, como a propriedade intelectual, a digitalização da cultura e a promoção de indústrias criativas e culturais como motores de riqueza na região tiveram um impacto sobre mais de um milhão de artistas e gestores culturais ibero-americanos. No Rio de Janeiro, por sua vez, a OEI administra o Museu de Arte do Rio (MAR) desde 2021, impulsionando a atividade deste espaço e servindo milhares de visitantes por ano.

Por outro lado, o impulso para a intercompreensão dos falantes de espanhol e português (que juntos formam uma comunidade de 800 milhões de pessoas) e o fortalecimento dessas línguas como línguas da ciência foram o fio condutor de programas bem sucedidos como o Border Schools - na fronteira luso-espanhola -, as duas edições da Conferência Internacional de Línguas Portuguesas e Espanholas (CILPE), em Lisboa e Brasília, ou a iniciativa de intercâmbio criativo e literário 'Atelier Poético'.

Atualmente, a OEI tem mais de 2.000 acordos assinados, quase 4.000 colaboradores e uma média de 500 projetos por ano, dos quais 98% provêm dos próprios países ibero-americanos, o que é um verdadeiro exemplo de cooperação Sul-Sul em nível global.

Rodapé
A OEI utiliza cookies próprios e de terceiros para fins funcionais e analíticos.

Clique no botão Aceitar para confirmar que você leu nossa Política de cookies e aceita todas as cookies. Para gerenciar as cookies, clique em Configurar. Para desativar todas as cookies, clique em Recusar.