Menu de navegação

Ir para o conteúdo Ir para o mapa do site
Conteúdo da página

Educação e Ciência

Programas

Universidade Ibero-América 2030

Internacionalização

Um dos objetivos da estratégia da Universidade Ibero-América para 2030 é aumentar o atrativo internacional de nossos sistemas universitários, contemplando especialmente os intercâmbios e a cooperação entre as universidades da região.

Considerando o atual caráter globalizador e a tendência à cooperação regional, a internacionalização é um dos pontos fracos das universidades da região, como mostra o relatório Panorama de la Educación Superior en Iberoamérica 2019 da Rede IndicES e o relatório La movilidad en la educación superior en América Latina: retos y oportunidades de un Convenio renovado para el reconocimiento de estudios, títulos y diplomas, do Instituto Internacional a Educação Superior na América Latina e no Caribe.

A partir desta informação, na Organização dos Estados Ibero-Americanos, em colaboração com outras instituições, detectamos que as universidades ibero-americanas precisam rever e atualizar sua política de internacionalização, com ênfase especial na cooperação. Deste modo, tornou-se um firme propósito para nós acompanharmos as instituições de Ensino Superior da região nesse caminho.

 

Práticas de qualidade na internacionalização

CONVOCATÓRIA

Para promover a internacionalização, em março de 2020, foi aberta uma convocatória para reconhecer as melhores práticas de qualidade na internacionalização no Ensino Superior da Ibero-América. O objetivo era favorecer a visibilidade e a transferência dessas práticas, a fim de fomentar o intercâmbio e a cooperação sul-sul. O principal requisito era que essas práticas tivessem sido elaboradas e implementadas em suas instituições nos últimos três anos. As categorias eram:

  1. Estratégias institucionais, políticas de internacionalização: Para aquelas práticas associadas ou derivadas da publicação e/ou aprovação pela instituição de políticas e/ou planos institucionais de internacionalização com impacto em toda a instituição, em qualquer um de seus centros ou em sua comunidade acadêmica.
  2. Mobilidade de entrada e saída sob altos padrões de qualidade, com atenção aos programas de mobilidade inclusiva: O compromisso da instituição, seus diferentes centros e sua comunidade acadêmica com a mobilidade de estudantes, corpo docente e de pesquisa e pessoal da administração pode ser refletido através de uma grande variedade de práticas. Em referência, por exemplo, ao financiamento da mobilidade internacional ou à existência de acordos bilaterais com reconhecimento acadêmico que permitem a mobilidade acadêmica.
  3. Internacionalização do currículo: Em referência àquelas ações que promovem a internacionalização do currículo através da elaboração de currículos que incorporem competências internacionais e interculturais em metodologias e conteúdos de ensino.
  4. Projetos de pesquisa e inovação colaborativa: Para práticas de inovação e pesquisa participativas e multidisciplinares de caráter internacional, que valorizam a transferência de conhecimentos e resultados de pesquisa e a transformação social no contexto ibero-americano.
  5. Programas e iniciativas internacionais de extensão universitária e programas de cooperação para o desenvolvimento: Sobre os projetos de cooperação Sul-Sul dedicados ao campo da educação (ODS 4) e do desenvolvimento sustentável em parceria com outras universidades e/ou instituições (ODS 17). Havia a possibilidade de incluir práticas de qualidade relacionadas à extensão universitária de dimensão internacional.

 

Foram apresentadas mais de 70 práticas de 59 universidades de 14 países da região. Foram escolhidas as cinco melhores práticas por categoria para serem apresentadas no Seminário Ibero-Americano e incluídas no Manual.

 

Em outubro, uma banca formada por técnicos da área escolheu os vencedores:

Na categoria Mobilidade: Fundación Universitaria del Área Andina (Colômbia), Universidad de Buenos Aires (Argentina), Universidad Ean (Colômbia), Universidad Pedagógica y Tecnológica de Colombia e Universidad Técnica Particular de Loja (Equador).

Na categoria de Boas práticas em Extensão Universitária: Universidad de las Regiones Autónomas de la Costa del Caribe Nicaragüense, Universidad Católica de Colombia, Universidad Nacional de Cañete (Peru), Universidad EAFIT (Colômbia) e Institución Universitaria Escuela Nacional del Deporte (Colômbia).

Em Internacionalização do Currículo: Universidad Nacional de Avellaneda (Argentina), Universidad de Castilla-La Mancha (Espanha), Universidad Nacional del Litoral (Argentina), Corporación Universitaria Minuto de Dios (Colômbia) e Pontificia Universidad Javeriana Cali (Colômbia).

Na categoria Práticas de pesquisa: Universidad de La Laguna (Espanha), Universidad de San Martín (Argentina), Universidad Autónoma Latinoamericana (Colômbia), Fundación Universitaria de los Libertadores (Colômbia) e Universidad Nacional de Villa María (Argentina).

Na categoria de Políticas:  Universidad de Río Negro (Argentina), Universidad de Deusto (Espanha), Universidad Regional Autónoma de los Andes (Equador), Universidad Tecnológica del Uruguay e Universidad de Huelva (Espanha).

Além destas instituições, a Universidade Aberta de Portugal recebeu uma menção especial na categoria Mobilidade, e a Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED) (Espanha) e a Universidad de Alcalá de Henares (Espanha), em colaboração com a Universidad Autónoma de Bucaramanga (Colômbia), por suas propostas em Políticas de Internacionalização.

 

 

SEMINÁRIO IBERO-AMERICANO

Nos dias 9 e 10 de dezembro, foi realizado em formato virtual o Seminario Iberoamericano sobre Prácticas de Calidad en Internacionalizaciónorganizado pela OEI, o Instituto Internacional para la Educación Superior en América Latina y el Caribe (IESALC-UNESCO), a Universidad Autónoma de Bucaramanga (UNAB), a Universidad de Alcalá (UAH), a Universidad Nacional de Córdoba, como anfitriã da Conferencia Regional de Educación Superior (CRES), e a Asociación Colombiana de Universidades (ASCUN). Durante o Seminário, foram apresentadas as três melhores práticas por categoria da convocatória, além da reflexão de especialistas da área sobre os desafios da mobilidade na região, e o trabalho sobre a proposta de soluções comuns.

Consulte os anais (memorias) do Seminário.

 

MANUAL IBERO-AMERICANO

Finalmente, com o fim de dar a maior divulgação possível às práticas vencedoras para que possam ser replicadas por outras universidades da região, estas foram incluídas no Manual Iberoamericano de Buenas Prácticas em Internacionalización (MIBPI). Este Manual, totalmente interativo, foi elaborado em conjunto com as instituições organizadoras do Seminário, incluindo uma explicação audiovisual das 27 práticas reconhecidas como as melhores em internacionalização na Ibero-América. Visando facilitar a adaptação a outros modelos nas diferentes universidades, os representantes das instituições premiadas compartilham tanto os sucessos quanto as dificuldades de suas propostas. A apresentação do Manual foi realizada virtualmente em 24 de março, na qual se enfatizou especialmente a importância de aprender uns com os outros, bem como de se adaptar às opções virtuais de internacionalização.

 

   
Rodapé
As cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, aceita o uso de cookies.