Menu de navegação

Ir para o conteúdo Ir para o mapa do site
Conteúdo da página

Educação e Ciência

Programas

Universidade Ibero-América 2030

Mobilidade

A tendência da sociedade atual para a globalização, além do trabalho para o reforço de projetos regionais, faz dos benefícios da mobilidade acadêmica uma evidência à qual nós da Organização dos Estados Ibero-Americanos tentamos responder.

 

A América Latina é a segunda região do mundo onde os estudantes realizam o menor número de intercâmbios acadêmicos, sendo apenas 1,14%.

 

Além dos obstáculos que os programas de mobilidade têm encontrado tradicionalmente para se estabelecer no Ensino Superior da região, surgem os efeitos trazidos pela COVID-19. Esta conjuntura pode ser considerada uma complicação para a mobilidade tradicional, mas, ao mesmo tempo, pode ser um motor de oportunidades.

Neste contexto, nossa organização uniu forças com vários aliados da região para criar programas que respondam às necessidades da Ibero-América a este respeito. Com eles, procuramos colaborar na construção de um espaço compartilhado de Ensino Superior e pesquisa, através do fortalecimento dos processos de mobilidade acadêmica internacional presencial e virtual na Ibero-América.

 

 

Programas de mobilidade

PROGRAMA PAULO FREIRE 

Seu objetivo é promover a mobilidade acadêmica dos estudantes de programas de formação de professores, garantindo o reconhecimento dos períodos de estudo no exterior. Para isso, são concedidas bolsas de estudo a alunos de graduação e pós-graduação: os futuros professores da região. O período da estadia é de um semestre, com uma remuneração variável dependendo do destino. Já foram beneficiados 744 alunos de carreiras relacionadas ao exercício da profissão docente (licenciaturas em educação infantil, ensino fundamental, médio, especial e técnico-profissional).

Devido à pandemia, a última edição deste programa foi transformada numa experiência de mobilidade virtual oferecida pela Universidad Nacional de Educación de Ecuador e apoiada pela Secretaria de Educação do México. Voltada para professores e equipes diretivas das Escolas Normais do México e Instituições de Formação de Professores do Equador e do Uruguai, com a assistência técnica da UNED, esta iniciativa beneficiou 160 docentes e gestores escolares dos três países no ano acadêmico de 2020-2021.

 

PROGRAMA PAULO FREIRE PLUS

Este é um programa de bolsas de estudos para cursar o doutorado numa universidade da região localizada em outro país diferente daquele em que se realizaram os estudos anteriores. Há duas modalidades: júnior, para fazer todo o doutorado numa instituição ibero-americana, e sênior, destinada a professores universitários para realizar o primeiro ano de estudos no exterior e continuar os anos seguintes na universidade de origem. A última convocatória de candidaturas foi encerrada em meados de fevereiro de 2021 e as bolsas de estudo já foram concedidas; os beneficiários irão aderir ao programa em setembro próximo. Está prevista uma nova edição para o final deste ano.

 

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO E MOBILIDADE ACADÊMICA (PIMA)

Desde 2000, graças ao financiamento da Junta de Andaluzia, a mobilidade na região tem sido promovida através deste programa de bolsas de estudo. Os intercâmbios acadêmicos são realizados dentro de redes de cooperação universitária, que garantem o reconhecimento na universidade de origem do período de estudo do aluno na universidade de destino. Existem atualmente vinte e cinco redes nas quais participam sessenta e sete universidades de dezoito países ibero-americanos. A próxima chamada será lançada em setembro de 2021.

 

GUIA DE MOBILIDADE VIRTUAL

A Organização dos Estados Ibero-americanos uniu forças com a Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED) e com a Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo (AECID) para responder à demanda de educação a distância acelerada pela pandemia da COVID-19. Temos desenvolvido a "Guia para o desenho, implementação e monitorização de ações de Mobilidade Virtual" com o objetivo de,  através de orientações e recomendações, acompanhar os professores das universidades ibero-americanas que têm a responsabilidade e o papel de desenvolver programas de mobilidade virtual para estudantes de graduação e pós-graduação. Não só não queremos que a crise sanitária nos faça perder as vantagens que a mobilidade traz, mas também queremos explorar suas oportunidades. Estas transcendem a atual conjuntura, considerando a possibilidade de qualquer estudante ter uma experiência de formação internacional, o que é especialmente significativo para alunos com deficiências ou provenientes de meios desfavorecidos.

 

   

 

Uma proposta para a mobilidade acadêmica

A experiência em programas de mobilidade acumulada pela OEI juntamente com o estreito diálogo com os actores do Ensino Superior Ibero-Americano permitiu detectar diferentes obstáculos à mobilidade. Entre eles, a heterogeneidade dos sistemas universitários e a falta de confiança entre as instituições de Ensino Superior dificultam os processos de reconhecimento de disciplinas, o que constitui uma desvantagem quando se decide realizar um intercâmbio na região. Assim, a fim de facilitar o reconhecimento das disciplinas e de acelerar os procedimentos necessários, a OEI, juntamente com a Fundação Europeia Sociedade e Educação, convocou um grupo de trabalho de peritos em Ensino Superior com a intenção de unir esforços na procura de opções.

O resultado das sessões de trabalho, acompanhadas por um processo de consulta com os protagonistas da mobilidade académica de diferentes instituições, foi o relatório "Universidade Ibero-América 2030 em movimento: uma proposta para a mobilidade acadêmica". Este documento inclui a iniciativa de criar um instrumento de mobilidade: uma plataforma que reúna toda a informação sobre as unidades de aprendizagem com avaliação (disciplinas ou disciplinas) que os estudantes e gestores universitários precisam de conhecer para tomarem as decisões correctas no processo da mobilidade. Além disso, propõe-se que o instrumento contenha funções para facilitar o contacto entre os actores envolvidos no processo, tanto das universidades de envio como das universidades de acolhimento. É, portanto, uma proposta simples, flexível, prática e realista, apoiada por peritos, que visa representar um avanço significativo na promoção da mobilidade académica no Ensino Superior da região. 

 

   

 

Rodapé
As cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, aceita o uso de cookies.